Canezin Imóveis

Central de atendimento
(43)3344-1010
Atendimento online das 8h às 18h
Central de atendimento
(43)3344-1010
Atendimento online das 8h às 18h
07 de março de 2016

AGRONEGÓCIOS - Preço de terras agrícolas subiu 35% em três anos

Em Sorriso (MT), valorização chegou a quase 70%. Em Taquarituba (SP), alta foi de 63%; e em Passo Fundo (RS), de 62%

Marina Salles

Nos últimos três anos, considerando o período de janeiro de 2013 a dezembro de 2015, o preço das terras agrícolas direcionadas ao cultivo de grãos subiu 35% no Brasil, segundo levantamento da Informa Economics FNP fornecido ao Portal DBO. No mesmo espaço de tempo, a soja teve alta de 19% em reais e 59% em dólar, de acordo com o Indicador de preços da soja Cepea/Esalq. Apesar disso, nem a alta de preço das commodities nem o câmbio favorável explicam sozinhos a valorização das terras. “A principal razão é o aumento da renda do produtor com o exercício de sua atividade”, afirma Márcio Perin, consultor de terras da Informa Economics FNP.

“A produção foi boa? A lavoura teve alta produtividade? Quando a resposta é positiva, esses fatores também geram uma expectativa de valorização”, diz o consultor. E, se a renda do produtor aumenta, aparecem mais interessados em aderir à prática ou mesmo expandir suas áreas de produção. Diante disso, o dono da terra também costuma ter resistência em se desfazer do seu negócio. Assim, a demanda cresce enquanto a oferta diminui.

Outro ponto fundamental na determinação do preço da terra é a infraestrutura que rodeia a propriedade, seja ela logística, de armazenamento ou processamento . “Quando há construção de armazéns ou indústrias no entorno, a propriedade valoriza. Novas rodovias e portos também trazem impacto direto no preço do produto e nos custos da atividade ao produtor”.

No entanto, quando o assunto é recessão econômica, a correlação entre preço das commodities e da terra não se dá de forma direta, levando tempo para haver mudança na cotação média do hectare. “Num momento de crise o produtor só vende o negócio se estiver muito endividado, porque o preço da terra não cai a curto prazo, e o mercado geralmente se recupera mais rápido do que isso”, diz. Com a tendência de que a terra valorize, o produtor passa para frente outros bens antes de liquidar dívidas vendendo sua propriedade, onde também gera renda.

Confira, abaixo, os preços de terras de alta e média produtividade para grãos no Brasil no ano de 2013 e no início e final de 2015:


Fonte: http://www.portaldbo.com.br/Agro-DBO/Noticias/Preco-de-terras-agricolas-subiu-35-em-tres-anos/15617

© 2019 - Todos os Direitos Reservados - Simbo CRM & Canezin Imóveis - Imobiliária membro do Portal Imóveis de Londrina Simbo CRM